Fala Natureza

Ecologia - Manguezal da Via Expressa

 O aterro da Via Expressa Sul se transformou num santuário de aves marinhas, podendo ser observadas aos milhares na orla, ao longo dos 18 canais que cortam a área e no coração de um manguezal nascente na Costeira do Pirajubaé. Segundo a bióloga Lenir Alda do Rosário, da Fatma, a fauna e flora já estavam presentes nas praias do Saco dos Limões e Costeira, antes do aterro executado nos anos 50 para a implantação das avenidas Waldemar Vieira e Jorge Lacerda.
Antes desse aterro, a costa local apresentava um bordado de pequenas praias demarcadas por pontas de rochedos e diminutas áreas de manguezais – uma paisagem parecida com a do Ribeirão da Ilha. Com as duas avenidas, surgiu um longo muro de contenção, eliminando o cenário e forçando a migração das aves. Permaneceram apenas as que mergulham para buscar alimentos, ou algumas garças na maré baixa.

 Com o último aterro e o retorno de elementos da paisagem anterior, as aves que haviam ido embora voltaram. Nos primeiros levantamentos feitos por Lenir no final da década de 1990, foi observada a presença de 58 diferentes espécies, metade de nativas e as demais migratórias. Também se observou inúmeros maçaricos, vindos dos Estados Unidos, e gaivotas, garças e talhas-mar, oriundos da Patagônia (Sul da Argentina).
As obras do sistema viário sobre o novo aterro, levaram à implantação de 18 canais e conjuntos de molhes de pedra, proporcionando uma boa  circulação das águas.  Junto à Costeira do Pirajubaé, onde um curso d’água que desce dos morros e se encontra com o mar, teve início a formação de um novo manguezal – beneficiado pelas sementes transportadas pelas águas desde o vizinho manguezal do Rio Tavares.

 Além da bióloga da Fatma, profissionais de diversas áreas da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), realizam  um monitoramento permanente e sistemático de todo o aterro, incluindo o retorno da flora e da fauna. Para os especialistas, o local se transformou num imenso laboratório natural de pesquisas, enquanto as pessoas residentes na cidade ou visitantes ganharam nova opção de lazer. Experimente levar meio de quilo de manjuvas ou sardinhas frescas e lançá-las às aves: elas vão aparecer aos milhares.  

Aquecimento global | O futuro da Ilha em debate
Projeto Tamar em busca da preservação das tartarugas marinhas
Paixão pelos animais marinhos transforma trabalho em prazer
       
 
   
desenvolvido por VirtuaComm Soluções Internet