TPM - Taty Paty Matias

Prometo não prometer mais nada!


 
 Agora estamos no final de 2007 e o clichê se aproxima determinadamente: promessas e dívidas. Cada nova promessa, uma nova dívida. Não necessariamente material: há quem fique em dívida consigo mesmo por não ter conseguido perder os 5kg pretendidos ou por não ter esquecido o ex caso complicado ou por não ter se esforçado o suficiente para passar no concurso. Inúmeros são os “objetos” ou “fenômenos” de desejo e para cada um deles cabe uma promessa: em 2008 prometo parar de fumar – e assim ter um aspecto melhor, uma saúde melhor e até um “perfume” melhor; em 2008 prometo fazer um planejamento financeiro – e assim gastarei menos com futilidades, comerei mais em casa, aproveitarei melhor as programações culturais da cidade; em 2008 eu prometo ser mais interessada – e assim assistirei a todos os telejornais, lerei revistas, estarei em rodas de discussão, em palestras e eventos que possam me acrescentar intelectualmente; em 2008 prometo...
 
Enfim! Dei alguns exemplos porque às vezes o ano passa e a gente chega no revéillon sem ter o que prometer e fica desesperada! (acaba prometendo uma coisinha de última hora que escapa, junto com o álcool, pra dentro e, horas depois, pra fora, pra bem longe da gente; no dia seguinte ninguém nem se lembra se é 2007 ou 2008).
 
Mas se, em vez de promessas, fizermos planos? Por exemplo, pretendo fazer um curso de língua estrangeira, ou levar mais a sério meus relacionamentos, ou economizar para comprar um carro. Simples assim: um plano. Quem planeja, tem metas e, logicamente, um caminho a seguir para atingi-las. Caso não chegue lá, caso se perca no caminho, você não está necessariamente em “dívida” com nada. Você está na metade do caminho para obter alguma coisa – ou, melhor, foi desviada para algo surpreendente e interessante.
 
É como quando a gente sai de casa pensando em fazer as unhas e no caminho passa por uma lojinha em liqüidação de sapatos, lá dentro faz uma amiga e...
 
Diariamente, várias oportunidades nos são lançadas. É preciso estar distraidamente atenta.
 
No ano de 2008, eu prometo não fazer promessas. Quem sabe assim eu quite as dívidas comigo mesma e me perdoe ao conquistar as minhas próprias metas.  
 
 
"O céu é só uma promessa.
E eu tenho pressa,
vamos nessa direção
atrás de um sol
que nos aqueça.
Minha cabeça
não aguenta mais..."

 

 

 

ABALADA NA BALADA
Ai, que engraçado!
É NO PAGODE
VAI DAR CARNAVAL
Pára tudo!
       
 
   
desenvolvido por VirtuaComm Soluções Internet