Caio Cezar

O mundo visto de cima

 Estimadinho,

Bendita hora em que te pedi aquela carona. Aquele domingo era único dia de folga em várias semanas e estava com a maior preguiça de dirigir trinta e tantos quilômetros até a Praia Brava, mesmo que fosse pra ver Tijuqueira e Zeca Baleiro tocando à beira mar. Você topou vir me buscar na Lagoa, mas em compensação acabou com a minha folga, né?
Foi me passando uma conversa no caminho: primeiro disse que a gente ia chegar na praia de parapente, e topei na hora, porque já fiz uns dez ou doze voos e adoro. Depois perguntou se eu não faria umas fotos pra revista, já que lá de cima a praia fica muito mais bonita. Topei também, porque o equipamento estava comigo e fotografaria de qualquer jeito. Não é todo dia que se voa de parapente.
Quando me dei conta eram onze da noite e eu já tinha feito mais de 250  fotos, entre parapentes, mulheres e crianças na platéia do show, o lindo costão da Brava e vários retratos teus, papito, que estão na duas últimas páginas do Fala Caio desse mês.
Nunca foi tão bom trabalhar num dia de folga.

Um beijo do seu primogênito,
Caio.

 

       
O mundo visto de cima
Primeira Impressão | Caio Cezar mostra o que fez no primeiro semestre de faculdade
Meia dúzia de retratos | Caio Cezar dá um rolê no Donna Fashion
Peneira fina | retrospectiva com as melhores do Fala Caio
Embalado...
Diga com quem andas...
       
 
   
desenvolvido por VirtuaComm Soluções Internet