NutriÁ„o

Physalis


 Uma espécie de grande valor nutricional e econômico.
A physalis é uma fruta que tem tudo de exótica: nome, aparência e preço. É encontrada no mercado a preços elevados, e ainda é uma novidade para o consumidor. Mas, apesar disso, no Norte e Nordeste do nosso país ela é comum nos quintais e chamada por nomes bem brasileiros: camapum, joá-de-capote, saco-de-bode, bucho-de-rã, bate-testa e mata-fome.
Essa variedade nativa é a Physalis angulata, da família das Solanáceas, a mesma do tomate, da batata, do pimentão e das pimentas. Originária da Amazônica e dos Andes, onde chamam de tomates de capucho.
É uma fruta delicada, pequena e redonda, com coloração que vai do amarelo ao alaranjado, envolvida por uma folha fina e seca, em forma de balão.
Contém um alto teor de vitaminas A, C, fósforo e ferro, além de flavonóides, alcalóides e fitoesteróides, alguns recém descobertos pela ciência. Os carotenóides estão na lista dos compostos bioativos considerados funcionais, ou seja, aqueles capazes de prevenir doenças. São corantes naturais capazes de afastar males como cegueira noturna, catarata e até câncer
De sabor único, levemente acido e adocicado não tem comparação com outra fruta. Produz um suco delicioso e de sabor único. Muito apreciado pelos grandes chefes e gourmet da cozinha internacional em forma de doces, sorvetes, geléias, bombons e em molhos de saladas e carnes, compotas, no fondue de chocolate e como tira gosto para degustação de vinhos, ou consumida ao natural. Bastante sofisticada é importada da Colômbia ao preço de até R$ 100,00 o quilo.
 A physalis é conhecida por purificar o sangue, fortalecer o sistema imunológico, aliviar dores de garganta e ajudar a diminuir as taxas de colesterol, diminuir a albumina dos rins, fortificar os nervos ópticos, limpar as cataratas, aliviar problemas de garganta e controlar a amibiasis. Coadjuvante no tratamento do carcinoma de próstata e colesterol elevado.
A população nativa da Amazônia utiliza os frutos, folhas e raízes da planta no combate à diabetes, reumatismo, doenças da pele, bexiga, rins e fígado.
Estudos científicos recentes estão revelando que a planta apresenta forte atividade como estimulante imunológico combatendo alguns tipos de câncer e efeito antiviral contra os vírus da gripe e herpes, pólio e HIV.
A planta tem sido estudada também por fornecer um poderoso instrumento para controlar o sistema de defesa do organismo, diminuindo a rejeição em transplantes e atacando alergias.
Em geral, ela é usada na forma de chá ou infusão.

Curiosidades sobre a physalis|
* No Japão, existe variedade de cor vermelha chamada hosuki. Lá, anualmente, acontece a Festa do Hosuki;
* Em Paris é servida em restaurantes elegantes, coberta com chocolate.

Trechos do texto do site http://oarquivo.com.br

________________________________________________________________________________


Sugestão de receita|
Linguado ao molho de Physalis

Ingredientes|

300 gramas de filé de linguado
2 colheres de creme de leite fresco
1 colher de aceto balsâmico
Sal e pimenta a gosto
1 xícara de farinha de trigo
1 colher de manteiga
200 gramas de physalis
½ copo de vinho branco
1 colher de cebola picada
1 limão

Modo de preparo|
Tempere os filés com sal, limão, passe na farinha de trigo e grelhe na manteiga e reserve. Liquidifique os physalis e passe numa peneira. Em uma panela refogue a cebola na manteiga. Coloque o vinho deixando reduzir, coloque o physalis deixando ferver por 2 minutos. Corrija o sal e a pimenta, por último o aceto e o creme de leite fresco. Coloque o molho sobre o peixe. Sirva com arroz branco, batata sauté e legumes no vapor.


Kudamono (Sashimi de physalis)

Ingredientes|
4 bananas nanicas, 2 maçãs, 8 physalis, 2 carambolas, 8 cerejas, 2 laranjas, açúcar de confeiteiro o quanto baste, 300 ml de creme de leite fresco, 300 ml de leite integral, 80 g de açúcar, 1 fava de baunilha, 2 colheres de sopa de maisena (rasa), 4 gemas.

Modo de preparo|
Misture o creme de leite e o leite e acrescente a fava de baunilha aberta e raspada. Leve ao fogo e retire antes de levantar fervura, reserve. Bata as gemas com o açúcar e a maisena e dilua o composto com o creme de leite e o leite reservado. Leve ao fogo brando e mexa ate alcançar a textura desejada, reserve. Distribua o creme de baunilha no centro de cada prato e decore com as frutas devidamente trabalhadas, salpique com o açúcar de confeiteiro.

Fonte das receitas| Revista Globo Rural, Revista Isto É.

Giovana Bortoli CRN 24831
Fotos| Laura Sachetti

________________________________________________________________________________

Coco
PÍra
Acerola
Pitanga
Jabuticaba
       
 
   
desenvolvido por VirtuaComm Soluções Internet